TechD-Fatos

​CPqD é credenciado para desenvolver projetos de inovação em programa da Softex

O CPqD é uma das instituições habilitadas a participar do programa Tecnologias Digitais Emergentes – TechD, que teve chamada lançada na sexta-feira (29/06) pela Softex – Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro, no âmbito de convênio com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). O objetivo do edital é selecionar empresas do setor produtivo para desenvolver projetos em parceria com a Softex e com instituições credenciadas, em quatro áreas prioritárias: Internet das Coisas (IoT), Energia, Mobilidade e Saúde.

O credenciamento do CPqD é resultado de um processo de habilitação de instituições junto ao CATI – Comitê da Área de Tecnologia da Informação, que foi realizado entre 21 de março e 15 de maio. A seleção levou em conta, entre outros critérios, a experiência da instituição nas linhas temáticas do Programa Prioritário da Softex. “Fomos habilitados nas quatro áreas prioritárias do programa, o que nos colocou em primeiro lugar nesse ranking”, afirma Alberto Paradisi, vice-presidente de Pesquisa e Desenvolvimento do CPqD. “Isso comprova nossa maturidade e competência para contribuir com o fortalecimento do sistema nacional de inovação e, em particular, com a missão do programa TechD”, acrescenta.

A principal finalidade desse programa é incentivar o desenvolvimento de tecnologias inovadoras nas áreas definidas como prioritárias, favorecendo a integração e a sinergia entre universidades, instituições de ciência e tecnologia (ICTs), empresas e startups. As empresas do setor produtivo (chamadas no edital de empresas âncora) interessadas em participar do programa TechD, em parceria com instituições credenciadas ao CATI, devem submeter suas propostas até o dia 30 de julho. A divulgação das empresas âncora apoiadoras está prevista para 10 de agosto e o recebimento dos projetos de pesquisa deverá ocorrer no período entre 20 de agosto e 20 de setembro.

O programa TechD conta com o apoio institucional da Sociedade Brasileira de Computação (SBC), da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).