Premiação-CPqD-Portas-Abertas

CPqD Portas Abertas: vencedores de concurso são premiados

As ideias vencedoras do concurso realizado dentro da programação do CPqD Portas Abertas foram premiadas na sexta-feira (30/11), durante cerimônia no Centro Municipal de Ensino Profissionalizante (CEMEP) Osmar Passarelli Silveira, em Paulínia. Com o tema “A paixão pela tecnologia é o que nos move a cada dia”, o concurso teve o objetivo de despertar nos estudantes o gosto pela inovação que leva o progresso à sociedade e promove o bem-estar das pessoas.

O CPqD Portas Abertas acontece todos os anos, em outubro, como parte das atividades da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia coordenada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). “Os 40 alunos do CEMEP que visitaram o CPqD durante essa semana ficaram empolgados e participaram do concurso, apresentando ideias inovadoras”, conta a professora Fabiana Cristine Gonçalves, que dá aulas para o 3.º ano do ensino médio técnico em informática. “Três delas foram selecionadas como vencedoras”, acrescenta.

Os premiados – que ganharam um conjunto de brindes personalizados do CPqD – foram Raphael Juneo Castro, Maria Fernanda Grijó e Laura Nunes Fochi. Raphael tem 17 anos e acaba de concluir o curso técnico no CEMEP. Gosta muito de tecnologia e tem planos de seguir carreira nessa área. Sua ideia tem como foco pessoas que dependem de cadeiras de rodas para locomoção e, em particular, que moram sozinhas. “Essas pessoas têm dificuldade em pedir socorro, se caem da cadeira de rodas”, afirma Raphael. “Por isso, a ideia é colocar sensor e software embarcado na cadeira de rodas, que pode disparar um alerta no caso de queda, via celular ou relógio inteligente”, explica.

Laura Nunes Fochi também propõe usar a tecnologia para facilitar a vida de pessoas com deficiências (físicas, visuais e auditivas). Nesse caso, a ideia é ajudar essas pessoas a utilizar transportes públicos, por meio de um app integrado a sistemas automatizados disponíveis nos ônibus e em seus pontos de parada. Já a ideia de Maria Fernanda Grijó é o desenvolvimento de um aplicativo voltado à melhoria do atendimento de pacientes em hospitais públicos, por meio da indicação do local apropriado – em função do problema descrito – e com disponibilidade de horário.