cpqd-iot-bndes

Estudo de IoT: relatório final já está disponível no site do BNDES

“O campo da Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) é oportunidade única para o Brasil capturar seu valor. Até 2025, no mundo, a IoT terá um impacto econômico de US$ 4 a 11 trilhões, maior que a robótica avançada, as tecnologias cloud, e até mesmo a internet móvel. No Brasil, o impacto potencial é de US$ 50 a 200 bilhões por ano, valor que representa cerca de 10% do PIB brasileiro.”

Essa é uma das principais conclusões do relatório final do estudo “Internet das Coisas: um plano de ação para o Brasil”, que já está disponível no site do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES). O documento, com 95 páginas, é resultado de um trabalho profundo realizado, ao longo de 2017, pelo consórcio formado pelo CPQD, pela consultoria McKinsey e pelo escritório Pereira Neto/Macedo Advogados, sob a coordenação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e do BNDES.

Dividido em quatro fases, o trabalho começou com a elaboração de um diagnóstico e a definição de aspirações para o Brasil em IoT, avançou com a seleção de verticais e horizontais a serem priorizadas e aprofundou-se na investigação das verticais escolhidas: Cidades, Saúde, Rural e Indústria. Cada uma dessas verticais ganhou um relatório de aprofundamento específico – todos também já disponíveis na página do estudo na internet (https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/conhecimento/pesquisaedados/estudos/estudo-internet-das-coisas-iot/estudo-internet-das-coisas-um-plano-de-acao-para-o-brasil).

“Com esses relatórios, concluímos todas as entregas previstas nas três primeiras fases do estudo”, afirma Vinícius Garcia de Oliveira, coordenador desse trabalho no CPQD. A quarta fase, ainda em andamento, prevê o suporte à implementação do Plano de Ação do Estudo de Internet das Coisas 2018-2022.

Conduzido de forma inovadora, esse estudo servirá de base para o Plano Nacional de Internet das Coisas. O objetivo é tornar a IoT um instrumento de desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira, capaz de aumentar a competitividade da economia, fortalecer as cadeias produtivas nacionais e promover a melhoria da qualidade de vida.