SBRC: plataforma dojot será destaque em evento da comunidade científica na área de redes de computadores

A plataforma aberta dojot, desenvolvida pelo CPqD com o objetivo de acelerar a criação de aplicações de Internet das Coisas (IoT), será um dos destaques da 36.ª edição do Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos (SBRC), que acontece entre os dias 6 e 10 de maio, em Campos do Jordão (SP). Promovido anualmente pela Sociedade Brasileira de Computação (SBC) e pelo Laboratório de Redes de Computadores (LARC), o SBRC firmou-se como o mais importante evento científico nacional nas áreas de redes de computadores e sistemas distribuídos, sendo constituído de sessões técnicas, minicursos, painéis e debates, workshops, salão de ferramentas, palestras e tutoriais proferidos por convidados de renome internacional.

Neste ano, uma das novidades da programação do evento será o Hackathon SBRC 2018, que contará com o apoio do CPqD – e da plataforma dojot. Programada para o domingo (06/05), a maratona de programação, que terá o tema Internet das Coisas, começará às 8h30 com um rápido treinamento sobre a dojot e uma apresentação dos recursos disponíveis (basicamente sensores e dados de sistemas reais) para o desenvolvimento de projetos no decorrer desse dia. O CPqD proverá a infraestrutura e o suporte necessários para que os participantes do hackathon possam utilizar a plataforma dojot em seus projetos.

Além disso, a dojot será apresentada no Salão de Ferramentas do SBRC, um fórum que reúne desenvolvedores e pesquisadores interessados na arquitetura, implementação e avaliação prática de sistemas e ferramentas com foco nas áreas de redes de computadores e sistemas distribuídos. Nesse espaço do SBRC, são feitas demonstrações práticas de sistemas e ferramentas, com abordagens envolvendo a experiência do seu desenvolvimento e questões relacionadas à sua implantação e uso e, ainda, às perspectivas geradas.

A plataforma dojot é resultado do projeto Plataforma Aberta para IoT e suas Aplicações, que conta com o apoio do FUNTTEL (Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações), do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, via Finep. O projeto é conduzido pelo CPqD – seu principal executor -, em parceria com outras instituições de ciência e tecnologia: Instituto Atlântico, Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI), Fundação de Apoio à Capacitação em Tecnologia da Informação (FACTI) e Universidade Federal do Ceará.