• Comunicações Ópticas

    Vencendo as distâncias de transmissão no transporte, interconexão e acesso

As tecnologias da plataforma Comunicações Ópticas do CPqD contribuem para o aperfeiçoamento constante das redes ópticas – a principal infraestrutura física para escoamento do tráfego IP, ou seja, a “espinha dorsal” das telecomunicações. Essa evolução se dá nos domínios de sistemas e dispositivos para transmissão de longa distância, redes de transporte metropolitanas, acesso e interconexão de data centers, ampliando continuamente a capacidade e a cobertura dos enlaces. O CPqD também desenvolve sistemas de monitoramento e controle do desempenho dos dispositivos que compõem as redes ópticas, utilizando a tecnologia SDN, Software Defined Networking. E vem ainda realizando pesquisas e desenvolvendo projeto de dispositivos integrados fotônicos e microeletrônicos.

O CPqD tem se destacado no cenário mundial e alcançado recordes consecutivos de capacidade de transmissão, utilizando tecnologias de detecção direta e também detecção coerente, que reduzem o custo dos dispositivos e sistemas.

As principais competências da plataforma Comunicações Ópticas são:

Sistemas ópticos

Incorporam os cenários de aplicação de tecnologias ópticas que suportam diferentes capacidades e alcances de transmissão, como:

  • Acesso óptico (1-10 Gb/s, ~60 km)
  • Interconexão de data centers (10-400 Gb/s, ~80 km)
  • Metropolitano (100/200 Gb/s, ~600 km)
  • Longa distância (100/200/400 Gb/s, ~2000 km)

Tecnologias de amplificação

Tecnologias e dispositivos para amplificação de sinais ópticos em sistemas WDM de curta e longa distância, tais como EDFA (Erbium Dopped Fiber Amplifier), Raman, amplificação híbrida, amplificação remota etc.

Roteamento óptico

Tecnologias de roteamento óptico de comprimento de onda em redes WDM (Wavelength-Division Multiplexing) com protocolo OTN (Optical Transport Network), incluindo plataformas de roteadores ópticos ROADM (Reconfigurable Optical Add-Drop Multiplexer) baseados em WSS (Wavelength Selective Switch), com espaçamento 50/100 GHz e suporte a espaçamento flexível de granularidade de 12.5 GHz.

Transmissão de dados

Tecnologias de transmissão de dados em fibras ópticas que utilizam nas interfaces de linhas/clientes conhecimentos de formatos de modulação, como o mQAM, mPSK e modulação em intensidade (mPAM) para atingir taxas de bits de 10 Gb/s, 100 Gb/s, 200 Gb/s e 400 Gb/s.

Processamento digital de sinais

Tecnologias de processamento digital de sinais ou DSP (Digital Signal Processing), compatíveis com a implementação em circuitos integrados (ASIC), para geração e recepção de canais ópticos em diferentes taxas de bits, i.e., 10 Gb/s até 400 Gb/s, e que suportam diferentes sistemas de aplicação, de acesso em longa distância.

Codificação de canal

Tecnologias de codificação de canal ou FEC (Forward Error Correction-), compatíveis com a implementação em circuitos integrados (ASICs), para correção de erros durante a transmissão, com base em decisão abrupta (hard decision) e suave (soft decision), no espaço de informação (códigos binários) ou do sinal (modulação codificada).

Dispositivos fotônicos

Tecnologias e dispositivos em circuitos fotônicos integrados em plataformas SOI (Silício), Polímero, PLC (Sílica) e InP (Fosfeto de Índio). Projeto e design de circuitos fotônicos para dispositivos ópticos, como, por exemplo, componentes passivos, lasers, moduladores e receptores. Tecnologias de encapsulamento avançadas e alinhamento entre chips e blocos de fibras, e óptica em espaço livre. Caracterização óptica e optoelétrica (DC e RF) de circuitos fotônicos em nível de chip.

Dispositivos microeletrônicos

Dispositivo ASIC-DSP, em tecnologia FinFET 16 nm, que realiza processamento digital de sinais, na camada física, para transmissão/recepção óptica, desenvolvido para aplicações de longo (5000 km) a curto (1.000 km) alcance, compatível com os formatos de modulação QPSK, 8QAM, 16QAM e 64QAM; dispositivo ASIC-OTN, em tecnologia TSMC 40 nm, que realiza processamento digital de dados, na camada de transporte, compatível com as normas ITU-T G.709 e ITU-T G.798, para aplicações, em 100 G, de transponder Ethernet, regeneração OTN, criptografia OTN e regeneração 3R; fluxo de projeto para ASIC que incorpora as etapas de design em alto nível, desenvolvimento em RTL, síntese e verificação.

Monitoramento e controle de redes ópticas

Tecnologias de monitoramento de grandezas ópticas como potência do canal óptico WDM, reflectometria óptica da fibra (OTDR) e envelhecimento da fibra óptica para suportar as tomadas de decisão no nível da camada de redes.

Avaliação da conformidade e desempenho

Tecnologia de testes para avaliar a conformidade e o desempenho de equipamentos que compõem os sistemas de comunicações ópticas.

Artigos

Solução da Padtec estará em rede submarina de alta velocidade do Google
,

O impacto dos provedores de conteúdo e cloud no mercado de cabos ópticos submarinos

Nos dias de hoje, os cabos ópticos submarinos desempenham um papel fundamental para manter uma sociedade conectada. Todas as ligações telefônicas,…
, ,

[ECOC 2016] A importância da convergência entre Fotônica e Microeletrônica

A 42ª edição da ECOC - European Conference on Optical Communications, esse ano realizada em Dusseldorf (18-22 de setembro) enfatizou a importância…
Abstract green background. Illuminated fiber

OIF ataca 3 opções para os módulos ópticos de próxima geração em 400G

Além do padrão ACO com interface analógica já estabelecido na indústria para módulos ópticos plugáveis, os membros da OIF decidiram em…
Grandes empresas de roteadores IP apostam na fotônica
,

Grandes empresas de roteadores IP apostam na Fotônica!

Quem faz roteador não quer apenas continuar fazendo roteador apenas. A tendência agora é que os gigantes de rede acham que é estratégico integrar…
Super Transceiver - WDM 200G/400G
,

A venda de equipamentos WDM 200G/400G vai crescer 100% até 2020

Se a conectividade à Internet vai crescer cerca de 22% até 2020, de acordo com a CISCO, a instalação de equipamentos WDM, que suportam canais…
Imagem1
,

Porque precisamos usar a fotônica em sistemas de comunicação crítica?

Viabilizar serviços de conectividade para uma ilha, para uma plataforma de petróleo ou para uma comunidade remota na Amazônia, a mais de…
OIF inicia a padronização de módulos ópticos coerentes CFP8 para 400 Gb/s
,

OIF inicia a padronização de módulos ópticos coerentes CFP8 para 400 Gb/s

/
OIF arranca oficialmente o projeto de módulos ópticos coerentes, no formato CFP8, para suportar taxas de 400 Gb/s por comprimento de onda.…
Todos os direitos reservados ao CPqD.