CPQD antecipa o futuro e inaugura o Complexo Laboratorial de Conectividade

Evento de celebração conta com diversas autoridades e consagra o Centro como protagonista na aplicação de tecnologia 5G

“Para fechar com chave de ouro a celebração dos 45 anos de inovações em Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), o CPQD inaugura, hoje, o Complexo Laboratorial de Conectividade, referência em tecnologia 5G”, afirmou Sebastião Sahão Júnior, presidente do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPQD), em sua mensagem de boas-vindas na abertura da cerimônia de inauguração, na última sexta-feira, 8 de outubro, em Campinas.
Consagrando-se novamente como vanguardista e protagonista no desenvolvimento de tecnologia nacional, o Complexo realiza ensaios funcionais e testes para certificação de equipamentos, garantindo a excelência dos produtos, o bem-estar e a segurança da população. Os laboratórios foram concebidos na metodologia Lean – cujo objetivo é o ganho de eficiência, evitando desperdícios e aumentando a produtividade – e possuem infraestrutura de ponta. O propósito é atender as novas demandas tecnológicas do mercado, tornando-se referência nacional em 5G, Open-RAN (Open Radio Access Networks) e em análises de cibersegurança das redes.
Para Antônio Carlos Valente, presidente do Conselho Curador do CPQD, a inauguração do Complexo Laboratorial de Conectividade visa as tecnologias nascentes, as quais vão permear as atividades cotidianas. “Não sabendo que era impossível, o CPQD fez história desenvolvendo e produzindo tecnologia 100% nacional”, frisa Valente.
Além do presidente do Conselho Curador do Centro, o evento reuniu mais de 100 pessoas e contou com a presença de diversas autoridades, entre elas, o ministro das Comunicações, Fábio Faria; o secretário-executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, Sergio Freitas de Almeida; o secretário de empreendedorismo e inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo Alvim; o prefeito de Campinas, Dário Saadi; o deputado federal Vitor Lippi; a deputada federal Carla Zambelli; e oficiais do exército brasileiro. Clientes, parceiros e colaboradores também estavam presentes.
Após a recepção dos convidados, o evento teve início no auditório e foi marcado por homenagens aos colaboradores e mensagens de admiração pela trajetória do CPQD por parte das autoridades. “É um prazer ver o que o CPQD tem feito. A pandemia veio para mostrar a importância das conexões, da tecnologia, e o CPQD tem tudo para ajudar o Brasil com o 5G e a Internet das Coisas”, declarou o ministro Fábio Farias.
O secretário de empreendedorismo e inovação, Paulo Alvim, por sua vez, destacou a importância dos laboratórios para o protagonismo do Brasil no setor de tecnologia mundial: “com o CPQD, temos uma caixa de ferramentas em favor do Brasil. Aqui, já estamos navegando no futuro e o Complexo é prova disso. O CPQD nos dá orgulho pelo o que faz e entrega. Ele inspira e respira ciência, tecnologia e inovação. Todos deveriam conhecê-lo”.
Já o prefeito Dário Saadi evidenciou o protagonismo da cidade de Campinas como um ecossistema de tecnologia e inovação: “Somos referência nesse setor muito devido ao CPQD, por isso, os 45 anos devem ser muito comemorados. O Complexo Laboratorial de Conectividade reforça o papel do CPQD no cenário nacional e Campinas está muito honrada com isso”.
Por fim, a deputada federal Carla Zambelli disse que se surpreendeu com a excelência e com o time do CPQD. “Pela primeira vez, vejo uma instituição dando muito valor aos colaboradores. Por isso os resultados são alcançados. Aqui, o dinheiro está sendo bem investido e bem utilizado. Isso nos dá orgulho, satisfação e abre os olhos do mundo para o Brasil”, afirmou a deputada.
Após as mensagens, os colaboradores responsáveis pelo desenvolvimento e funcionamento dos laboratórios foram homenageados pela conquista, empenho e pelo trabalho presencial durante a pandemia de Covid-19. Em seguida, as autoridades fizeram o descerramento da placa de inauguração e os convidados tiveram a oportunidade de visitar o Complexo Laboratorial de Conectividade.
Além das instalações, o grupo pôde conhecer algumas tecnologias relacionadas à conectividade e suas aplicações, desenvolvidas pelo CPQD. Foram apresentadas soluções de banda-larga para o Agronegócio, visando aumento da produtividade e otimização dos recursos naturais, por meio da utilização de inteligência artificial.
Dentro do Complexo, os convidados também tiveram contato com tecnologias voltadas para defesa e segurança nacional, as quais são coordenadas pelo Exército em parceria com o CPQD, a fim de trazer soberania tecnológica nacional de forma segura.
Conjuntamente, foram evidenciadas algumas conquistas do Centro, entre elas, a participação do CPQD no Telecom Infra Project, tornando-se, em 2018, um Community Lab (espaço em que as tecnologias e soluções, desenvolvidas nos projetos, podem ser testadas e avaliadas). “Recentemente, fomos convidados a nos tornar um Integration Lab. Só há cinco no mundo e o CPQD será um deles. Vamos demonstrar tecnologias que promovem a softwarização das redes, trazendo mais inteligência na sua gestão e operação”, comenta Gustavo Correa Lima, gerente de Soluções de Comunicações Sem-Fio. Para o profissional, tudo isso faz do CPQD um ecossistema de inovação direcionado para a prática.

O futuro da tecnologia no CPQD

           O Complexo Laboratorial de Conectividade, cujo investimento foi de 5 milhões de reais, está em funcionamento desde julho de 2021 e conta com 12 laboratórios integrados. O ambiente tem capacidade para a realização de ensaios de desempenho de equipamentos, estações, terminais, redes e sistemas de comunicação. E garante controle de qualidade e vulnerabilidade em conformidade às normas de segurança nacionais e internacionais.

Inaugurado na última sexta-feira, 8 de outubro, a grande novidade do Complexo são os ensaios automatizados para a realização de testes em dispositivos 5G e em redes abertas e desagregadas, incluindo o Open-RAN e análises de segurança cibernética. Concebidos na metodologia Lean, a fim de ganhar eficiência e eliminar desperdícios, os laboratórios terão maior produtividade, disponibilidade de agenda e, consequentemente, maior competitividade no mercado.

A estrutura coloca o CPQD na vanguarda do segmento de ensaios laboratoriais, possibilitando a oferta de serviços pioneiros, com maior eficiência e enfoque nas necessidades dos mais de 400 clientes do Centro. “O CPQD atenderá a demanda nacional de 5G para avaliação da conformidade de produtos, redes e sistemas para a indústria, para o setor de meios de pagamento, operadoras e órgãos governamentais. O objetivo é suportá-los quanto ao desempenho, interoperabilidade e questões de cibersegurança desta nova tecnologia, que chegará em breve”, informa Frederico Sigrist Nava, diretor de Soluções Tecnológicas e Consultoria.

O diretor ainda enfatiza a pertinência da realização de ensaios em território nacional: “alguns requisitos exigidos nos testes são específicos para o ambiente brasileiro, uma vez que nossas condições climáticas são muito diferentes em relação a outras regiões, como a Europa, por exemplo”. Para ele, a certificação local também garante a segurança do usuário final, que tem contato direto com alguns equipamentos, tais como, baterias e carregadores celulares.

Luiz Rômulo Guidugli Filho, da Diretoria de Soluções Tecnológicas e Consultoria, reforça a importância da avaliação dos produtos. “Os ensaios asseguram o atendimento aos requisitos funcionais, de segurança, de compatibilidade eletromagnética, de proteção ao espectro radioelétrico e de não agressão ao meio ambiente”, afirma.

O profissional também explica como funcionam as análises do CPQD: “os laboratórios são imparciais em relação aos ensaios realizados. Para todo equipamento ensaiado, são emitidos relatórios com os resultados dos testes para o Organismo de Certificação Designado (OCD) responsável, o qual tem a atribuição de avaliar a conformidade técnica do equipamento frente aos requisitos regulatórios vigentes”.

Por fim, Nava e Guidugli apontam a inauguração e o funcionamento do Complexo Laboratorial de Conectividade como vantajosos não apenas para o CPQD e seus clientes, mas para a cidade de Campinas, tornando-a mais competitiva na atração de investimentos e de novas empresas de tecnologia. Para ambos, os laboratórios vão contribuir para o reconhecimento da cidade como um Polo Tecnológico do país, consolidando ainda mais sua vocação na área de TICs, serviços e logística.

 Infraestrutura inteligente

O novo Complexo Laboratorial de Conectividade foi idealizado como um ambiente dinâmico e modular, permitindo a integração das áreas e, quando necessário, a individualização dos laboratórios; confirmando por meio de sua arquitetura a multidisciplinaridade de áreas.

A instalação concentrou todos os laboratórios do CPQD em um ambiente moderno, multidisciplinar, seguro e com tecnologia de ponta. De acordo com Alexandre Bagarolli, da Diretoria de Operações, a nova disposição é extremamente benéfica, aumentando a produtividade dos testes: “em termos de infraestrutura, os laboratórios estavam todos espalhados. Com a integração no Complexo, podemos potencializar as informações, reduzir o tempo de ensaio e, consequentemente, melhorar o modelo de negócio”. Bagarolli ainda destaca a importância da segurança das informações: “para os clientes, em relação à confidencialidade, é muito interessante, pois, quando chega uma amostra para testar, ela fica apenas nesse prédio”.

Luiz Rômulo Guidugli Filho, da Diretoria de Soluções Tecnológicas e Consultoria, por sua vez, acrescenta que a sinergia de laboratórios permite o aumento exponencial da capacitação e da disponibilidade das equipes, resultando em menor tempo de testes e melhora do nível de serviço dos resultados e entregas do CPQD.

Dividido em quatro espaços, o Complexo Laboratorial de Conectividade possui infraestrutura para a realização de Ensaios de Radiofrequência (testes funcionais em celulares, Estações Terminais de Acesso, transceptores digitais, equipamentos de radiação restrita); Ensaios de Segurança, Desempenho e Interoperabilidade (realizados em diferentes elementos de redes de telecomunicações, como hardware e software, com o objetivo de garantir eficiência); Medição de SAR (que é Specific Absorption Rate ou, traduzindo, Taxa de Absorção Específica, responsável por realizar ensaios para medir a taxa de energia eletromagnética emitida por equipamentos de comunicação sem fio, como celulares e tablets, que o corpo humano absorve, garantindo o bem-estar e saúde da população), e Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética (realizados em equipamentos de telecomunicações e eletroeletrônicos em geral, a fim de avaliar as interferências eletromagnéticas geradas pelo equipamento sob ensaio, assim como o grau de susceptibilidade a perturbações eletromagnéticas procedentes do meio ambiente).

Este último é realizado na câmara semi-anecóica, a qual tem capacidade para executar testes em equipamentos de grande porte, a 10 metros de distância. Localizada no mesmo prédio do Complexo, a câmara possui estrutura fundamental para a avaliação de produtos, seja no desenvolvimento, na certificação ou nas avaliações pós-venda, esclarece Reginaldo Ribeiro, coordenador de projetos e responsável técnico do Laboratório de Compatibilidade Eletromagnética. “Nesse tipo de ambiente, podemos realizar as avaliações do 5G ou de qualquer equipamento eletroeletrônico em condições ideais para isso; sem perturbações eletromagnéticas. Por meio dessa câmara, conseguimos garantir que sistemas de comunicação fundamentais, como os do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, ou mesmo da nossa telefonia celular, não sofram nenhum tipo de interferência”, explica Ribeiro.

O coordenador ainda ressalta: graças a ambientes como este, foi possível a evolução da tecnologia, permitindo maior comodidade da população, sem que televisões, computadores e celulares, por exemplo, sofressem graves interferências e parassem de funcionar”.

Para Gustavo Correa Lima, gerente de Soluções de Comunicações Sem-Fio, toda a estrutura do Complexo Laboratorial de Conectividade habilita o Pólis de Tecnologia a ser um ambiente para o desenvolvimento da aplicação do 5G. “Se o 5G for apenas conectividade, corremos o risco de não extrair todo o seu valor, que está nas suas aplicações. E isso leva qualidade ao cliente”, ressalta. Segundo ele, o maior foco do Complexo é o desenvolvimento de tecnologia 100% nacional, a qual também possa ser transferida para a indústria.

Pioneirismo nacional em mais de quatro décadas

Em 2021, o CPQD completa 45 anos. A organização se destaca pela constante inovação, desenvolvimento e aplicação de tecnologias de ponta. É reconhecida como uma liderança nacional em Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), contribuindo para o progresso, a sustentabilidade e o bem-estar da sociedade e da nação.

Atualmente, o CPQD tem grande evidência por realizar o maior programa de pesquisa e desenvolvimento da América Latina, gerando soluções para diversos setores, entre eles, o de telecomunicações, agronegócio, financeiro, para indústrias, cidades e serviços de defesa e segurança. Além disso, tornou-se referência em 5G, Open-RAN e em análises de cibersegurança das redes com a inauguração do Complexo Laboratorial de Conectividade. Este suporta toda a certificação de produtos da Anatel.

Para Frederico Sigrist Nava, diretor de Soluções Tecnológicas e Consultoria, o setor de TICs é estratégico para qualquer país e o CPQD, desde a sua criação, contribuiu para o desenvolvimento tecnológico nacional. “O CPQD sempre trouxe impactos muito positivos à sociedade brasileira, por meio do telefone público, telefone a cartão, tv digital, desenvolvimento de fibras e equipamentos de comunicações ópticas, conectividade no agronegócio, rastreabilidade da carne bovina com blockchain e produtos de inteligência artificial. A instituição é um ‘trusted advisor’, neutro para empresas e órgãos públicos”, destaca. O diretor ainda explica que a atuação do Centro muitas vezes é desconhecida da população, que utiliza seus produtos, serviços e tecnologias sem perceber: “um exemplo são nossos sistemas anti-fraude, os quais gerenciam bilhões de transações em cartões de crédito para diversos bancos”.

Consoante às impressões de Frederico Nava, o diretor de Inovação, Paulo José Pereira Curado, aprofunda: “o CPQD está no dia a dia das pessoas. Um exemplo são os caixas eletrônicos, cujos sistemas de acessibilidade de texto-fala para deficientes visuais foram desenvolvidos por nós”.

Segundo Curado, o CPQD já nasceu na vanguarda, desafiando e trazendo novidades para o país. “Ele tem o papel de estimular e induzir o ecossistema de inovação a sempre fazer melhor. Desenvolvemos tecnologias sempre visando a aplicação e buscando o protagonismo em TICs”, menciona.

Na década de 1970, a instituição foi fundada como um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Telebrás, a fim de dar suporte às políticas públicas no ramo de telecomunicações e trazer soberania tecnológica para o Brasil. Nesse período, o CPQD trabalhava com inovações para a substituição de importações e teve como grande destaque o desenvolvimento de fibras ópticas e de circuitos integrados de rádio digitais, a comunicação via satélite e por pacotes, e todo desenvolvimento na área de rede externa.

Em 1998, o Centro foi privatizado, tornando-se uma Fundação. Nessa época, o maior foco era levar as inovações às operadoras de telecomunicação e, desde então, o CPQD passou a ampliar sua atuação em outros setores, como o financeiro, elétrico e do Agronegócio; passou a desenvolver os primeiros sistemas de software; criou empresas spin-off, como a Trópico, Padtec e Cleartec; e fundou o Instituto Atlântico (Fortaleza-CE), em busca de levar desenvolvimento e pesquisa em TICs para nordeste. “Tudo isso mostra o protagonismo do CPQD ao desenvolver tecnologia, ciência e, principalmente, por resolver problemas da nossa sociedade. Esse é nosso maior legado”, enfatiza Curado.

Para Sebastião Sahão Júnior, presidente da instituição, além do protagonismo no setor tecnológico, outro diferencial do CPQD é a preocupação em fazer do mundo um lugar melhor, contribuindo para a redução da desigualdade social, preservação do meio ambiente, melhora da qualidade de vida da sociedade e aumento da capacitação e qualificação de pessoas e profissionais.

“Estou há 35 anos no CPQD e ‘ser CPQD’ significa superação, paixão e busca por um país menos desigual e de melhor qualidade de vida aos seus cidadãos. Como brasileiro, tenho muito orgulho em saber que o nosso país tem um dos maiores centros de inovação em TICs do mundo e que, ao longo desses 45 anos, teve sempre como foco principal seus cidadãos”, declara o presidente.

Clique aqui para acessar a galeria de fotos do evento!