As instituições financeiras sempre se destacaram pelo uso intensivo das tecnologias de informação e comunicação, que hoje permitem realizar transações confiáveis e seguras, em tempo real, a partir de variados tipos de terminais de acesso.

Com o crescimento econômico registrado nos últimos anos, milhões de pessoas das classes C, D e E ascenderam a uma condição de consumo que as coloca em posição de clientes potenciais das empresas do setor financeiro. Aliada a esse fator socioeconômico, a evolução das TICs tem possibilitado o surgimento de soluções inteligentes, com base em equipamentos poderosos e algoritmos sofisticados, que permitem personalizar os perfis dos clientes e fazer seu acompanhamento em tempo real, durante as transações de consumo nos diversos canais. Além de reduzir os riscos de inadimplência e de fraudes, a tecnologia permite o ingresso de milhões de excluídos no sistema bancário e financeiro.

O Banco do Futuro terá o foco voltado, cada vez mais, para a eficiência operacional e a inovação da oferta de serviços. A eficiência operacional – uma conquista do setor financeiro brasileiro reconhecida internacionalmente – continuará garantindo competitividade e permanecerá na pauta das lideranças do setor. A aplicação do conhecimento sobre o perfil do cliente em cada interação será a chave para aplicar a tecnologia aos serviços, de modo a agregar inteligência aos mais variados processos.

A evolução dos serviços bancários deve caminhar, cada vez mais, para a diversificação e a integração de canais, com foco nos terminais de autoatendimento, na Internet e, principalmente, no celular.

Inteligência

O CPqD dedica seus esforços para oferecer ao setor soluções tecnológicas inovadoras, consultorias e serviços tecnológicos de alto valor agregado em inteligência no processo de tomada de decisão, segurança da informação, gestão de fraudes, múltiplos canais e mobilidade, além de gestão de recursos e acessibilidade.

Tecnologia

Além de tratar desafios referentes à usabilidade (que requer técnicas sofisticadas) e à adequada experiência de uso para esses novos canais, o banco do futuro terá, em sua infraestrutura, os elementos fundamentais de capacidade e inteligência para tratar grande quantidade de dados do cliente e prover a segurança necessária, prevenindo fraudes.